quarta-feira, 6 de outubro de 2010

SER TRANSPARENTE


Encontrei este texto, que me fez refletir sobre a minha própria vida... meus próprios recursos pessoais para "me proteger" das dores do mundo... algo que conscientemente abomino, mas que faço uso eventualmente de maneira inconsciente... por isso, quero eu, mudar também!... ser melhor e maior que estas armadilhas da vida...
A seguir, trancrevo-o para que você possa também refletir sobre essas "máscaras protetoras"que a maioria de nós ainda usa. A autora é Rosana Braga, segundo fontes da internet.
"Às vezes, fico me perguntando porque é tão difícil ser transparente. Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente.
Ser transparente é desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar.
Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde!..
Mas infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser. Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo!
Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção...
E assim, vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos. Não porque sejamos pessoas mentirosas, mas apenas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso e não-contaminado.
Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar... doçura, compaixão... a compreensão de que todos nós sofremos, nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir, num silêncio que nos remete a uma saudade desesperada de nós mesmos, daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos, porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: "você está me machucando... pode parar, por favor?".
...Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro. Quando, na verdade, se agíssemos com o coração, poderíamos evitar tanta dor...
Sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura! Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo, não desejar parecer tão invencível!
Que consigamos não tentar controlar tanto, não responder tanto, não competir tanto.!
Que consigamos docemente viver, sentir, amar, apesar de todo o risco que isso possa significar".

4 comentários:

  1. Que bacana isso!!! é muito bom poder te conhecer melhor Karla!!! Mas não se julgue, isso é muito comum entre as pessoas....todos temos medo de mostrar nossas fragilidades, nossos medos...!!!
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Leandra!... Mas essa nossa busca pessoal eteeeerna pela perfeição, certamente nos causa mais "dores"do que realmente é necessário, né?
    Mas eu sou assim, ENFIM: cheia de defeitos misturadas às muitas qualidades, que eu, modestamente, sei que tenho!!! Beijos, Querida!

    ResponderExcluir
  3. Biankaaa! Por que retirou o seu comentário? Queriiiia ver... snif... rs
    Olha, aproveito a oportunidade p/ lhe dizer que fiquei muuuuuuito orgulhosa de vc, quando vi o seu ambiente na Casa Cor! Como vc mesma disse, as "Minhas Crias" são os meus orgulhos remanescentes no mundo das artes. Parabéns pelo sucesso, e, que ele esteja sempre grudadinho à vc, seu trabalho, e à sua família!... Beijos!

    ResponderExcluir